Site Autárquico Silves

SB Messines

A freguesia de São Bartolomeu de Messines estende-se por uma área aproximada de 254 Km2, na zona de beira-serra. 

São suas vigias naturais, os Cerros da Portela, Gralheira e Penedo-Grande, sua principal referência. 

Encontra-se limitada, a Norte por S. Marcos da Serra e S. Barnabé; a Sul por Algoz, Tunes e Alcantarilha; a Este por Alte e Paderne e a Oeste por Silves, sede de Concelho, da qual dista, aproximadamente 17 Km. 

Sendo uma região marcadamente agrícola, nela se vislumbram oliveiras, alfarrobeiras, figueiras, amendoeiras e vastos pomares. Cria-se gado e pratica-se a caça. 

Habitada desde os primórdios da Humanidade, encontram-se vestígios do Paleolítico e Neolítico. Registam-se testemunhos romanos, mas são, do período de ocupação muçulmana, as referências ao castelo e ao crescimento populacional da povoação. No séc. XV, no Livro do Almoxarifado, registam-se diversas alusões a Messines, e, no séc. XIX, com as guerrilhas entre Liberais e Miguelistas, a vila entra na História, como quartel general de José Joaquim de Sousa Reis, vulgarmente conhecido por "Remexido". É, neste mesmo século, com o incremento de várias indústrias, mormente, de frutos secos, da aguardente de medronho, do esparto, da cortiça, das minas e do mármore, que a freguesia vence o isolamento e dá o salto, definitivo, para o progresso. Abrem-se estradas e o caminho de ferro põe-na em contacto com novos centros. 

O património histórico da vila de S. Bartolomeu de Messines impõe-se através da Igreja Matriz com o seu pórtico barroco de colunas torsas. No interior, formado por três naves, destacam-se as suas colunas, em grés, de estilo salomónico, únicos exemplares algarvios que se conhecem. 

Ao lado. aparece a Casa Museu João de Deus, onde o poeta viveu. Espaço aberto à Cultura, reconstitui, em memória, a vida e obra do Vate messinense. 

Em algumas das artérias da vila, salientam-se, na antroponímia local, figuras como Maria Antonieta Júdice Barbosa, poetisa, José do Espírito Santo Bataghlia, filho primogénito de João de Deus, Comendador da Ordem do Santo Sepulcro e Visconde de Messines, e, Francisco Neto Cabrita, contrastando com os populares topónimos, como a Rua do Norte, Rua do Forno, Rua da Mina, Rua do Rossio, na parte velha da vila. Referencia-se, ainda, o célebre Arco do Remexido pelo qual se chega ao largo da Casa onde nasceu João de Deus. Percorrendo outras ruas, a sul, pode visitar-se a ermida de S. Sebastião, no largo do mesmo nome, e a ermida de Nª Sª da Saúde, já fora do aglomerado populacional, a caminho do Algoz. 

Mas se, ao invés, o rumo for Silves, há que parar e observar o Monumento a João de Deus, esculpido em 1963, por Raul Xavier.